TST – Doença ocupacional. Reintegração e posterior demissão. Ausência de estabilidade.

A Oitava Turma do TST, reformou decisão em que bancária readaptada em nova função e posteriormente demitida, havia obtido o direito à reintegração com base na estabilidade fundada em doença ocupacional. De acordo com a relatora, ministra Dora Maria da Costa, “no momento da dispensa, a empregada estava apta a executar as atividades para as quais fora readaptada, sem nenhuma limitação laboral”. E “com o exercício das novas funções, houve a quebra do nexo causal, não podendo se falar em doença ocupacional a ensejar a pretendida reintegração”. Para mais informações: https://www.tst.jus.br/web/guest/-/banc%C3%A1ria-readaptada-ap%C3%B3s-doen%C3%A7a-ocupacional-tem-pedido-de-reintegra%C3%A7%C3%A3o-negado

colaboradores

fenômenos_aprendizagem.png

redes sociais

  • YouTube
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

contato